Horário: De Segunda à Sexta das 9.00 às 18.00 horas

O Tibet House Brasil abre suas atividades expondo a criação de uma sagrada mandala budista de areia

17 até 25 de Março de 2016 na cidade de São Paulo

O Tibet House Brasil foi fundado há pouco tempo, em São Paulo tendo como objetivo principal preservar e promover a herança única, espiritual e cultural, do Tibete, baseada na compaixão, não-violência, altruísmo e paz interior.

De 17 ao 25 de Março, o Venerável Lama Losang Samten visitará São Paulo e criará uma mandala de areia, do Buda da Medicina, no Tibet House Brasil. O endereço é Alameda Lorena 349, Jardim Paulista, São Paulo.

Antes de se mudar para os Estados Unidos há 30 anos, o Venerável Losang Samten estudou no mosteiro de Namgyal,  mesmo mosteiro de Sua Santidade, o Dalai Lama, com sede em Dharamsala, India.  Recebeu as maiores qualificações que o mosteiro entrega. Durante este tempo foi docente de dança ritual e mandalas de areia como também assistente pessoal de Sua Santidade o XIV Dalai Lama.

Ven. Losang Samten teve uma carreira destacada criando mandalas sagradas de areia que seguem a antiga tradição budista. Essas mandalas foram elaboradas em renomados museus, universidades, escolas, centros comunais e galerias nos Estados Unidos, Canadá, México e Europa. Losang recebeu o National Heritage Fellowship do National Endowment of the Arts, um PEW Fellowship e dois títulos  de doutor honoris causa do Trinity College em Hartford, Connecticut e do Main College of Art.

Ven. Losang Samten escreveu o livro “Ensinamento ancestral nos tempos modernos: Budismo no Século 21”, publicado em Inglês. Atualmente é diretor espiritual de vários centros budistas nos Estados Unidos. Vive, neste momento, em Philadelphia, Pennsylvania – a cidade do amor fraternal. Além disso, Losang interpretou o papel de assistente do jovem Dalai Lama no filme Kundun, de Martin Scorsese, onde também se destacou como assessor técnico religioso e supervisor das mandalas de areia. Durante sua visita a São Paulo no mês que vem, Ven. Losang Samten vai exibir a arte tibetana de pintar com areia, prática antiga e sagrada cujo propósito é inspirar e beneficiar todas as pessoas que tem contato visual com ela e abençoar o meio ambiente.

Mandala é uma palavra sânscrita  e significa círculo. Em Tibetano a palavra para círculo é kyil-khor o que quer dizer essência e círculo. Cada aspecto da mandala tem um significado, nada é arbitrário ou supérfluo. As cores e os desenhos de cada mandala tem um significado profundo e suas origens estão nos antigos ensinamentos do Buda. Permaneceram fiéis a estes antigos ensinamentos no correr dos séculos e cada cor representa o antídoto de uma emoção negativa específica.

Mandalas são usadas para ressaltar a prática espiritual, usando imagens e a meditação para superar o sofrimento curando o corpo, a fala e a mente das pessoas e melhorando o meio ambiente. Essencialmente, mandalas representam qualidades iluminadas e são uma método importante no ensino do Budismo Vajrayana, apoiando os seres humanos no seu caminho para a iluminação. Ven. Losang Samten também ditará conferências e guiará um retiro durante o fim de semana do 19 e 20 de Março.