Horário: De Segunda à Sexta das 9.00 às 18.00 horas

Como o Autocontrole Emocional impacta no seu trabalho.

Por Daniel Goleman |  Korn Ferry Institute  |  07 de junho de 2017

A Inteligência Emocional continua a ser um ingrediente fundamental no desenvolvimento de lideranças corporativas. Nessa série de artigos, Daniel Goleman – autor best-seller e colunista do Instituto Korn Ferry – releva as 12 principais habilidades que estão por trás da Inteligência Emocional. O texto foi extraído do livro Emotional Self-Awareness: A Primer (“Autoconhecimento Emocional: uma Cartilha”).

O Autocontrole Emocional é a habilidade de manter suas emoções e impulsos destrutivos sob controle, para manter sua efetividade quando estiver em condições estressantes ou até hostis.  Isso não significa suprimir suas emoções. Queremos controlar as emoções que nos perturbam, não as que são positivas (que enriquecem a vida, e que entram em campo com a Perspectiva Positiva e com a Competência de Orientação para a Realização). Com o Autocontrole Emocional, você lida com seus impulsos destrutivos e com suas emoções desestabilizadoras mantendo-se lúcido e calmo.

Considere esse exemplo: o diretor de marketing de uma empresa de alimentos global sempre tentou encontrar a melhor forma de fazer as coisas, mas não tinha a menor consideração pelas pessoas das quais ele dependia para justamente ter esse sucesso. Ele atacava qualquer um que estivesse aquém de suas expectativas. Se alguém discordasse dele, ele surtava e começava a gritar. Por trás, os subordinados diretos dele reclamavam, dizendo que ele era um péssimo chefe.

O que faltava a esse executivo de marketing era Autocontrole Emocional.

A ciência cognitiva tem nos mostrado que quanto mais aborrecido você está, pior é a sua habilidade de focar naquilo que é importante, de assimilar profundamente ou de responder rapidamente. Estar possuído pelas emoções sabota sua habilidade de tomar boas decisões ou de reagir habilmente. Outras pesquisas indicam que as emoções se propagam do líder do grupo em direção aos membros do grupo. A pesquisa realizada na Escola de Administração de Yale mostrou que, se o líder do grupo está com um humor otimista, as pessoas do grupo “pegam” esse humor e a equipe trabalha melhor, seja o que for que estejam fazendo. Se o líder estiver com um humor muito negativo – irritado, ou o que seja – os membros da equipe “pegam” o humor negativo e o desempenho deles despenca.

Pesquisadores australianos descobriram que líderes que lidam bem com as emoções tiveram melhores resultados nos negócios. Acredito que isso seja verdade em âmbito global. Será que faz diferença se um chefe explode com um empregado? Pode apostar que sim! Pesquisas complementares mostram que os empregados têm bem vivo na memória os episódios negativos que tiveram com um chefe. Eles se lembram muito melhor dos episódios negativos do que dos positivos. Mas eles também disseram que, depois do episódio negativo, eles se sentiram desmoralizados e não queriam mais ter nada a ver com aquele chefe.

Autocontrole Emocional não é só importante para manter um líder calmo e menos estressado, mas sim porque impacta nas emoções de todos com quem ele interage e na produtividade da organização. É o lucro que está em jogo.

 

*Traduzido do artigo publicado no site do Korn Ferry Institute (https://www.kornferry.com/institute/how-emotional-self-control-impacts-your-work)